Letras Web
Grupo Sandim

Patrício

Grupo Sandim

2 acessos

Sigo ao tranco no tubiano ainda bruto
E no costado meu cachorro Tradição
As renda lisa e na mão cabresto junto
O queixo atado e as chilenas no garrão
Se facilito esconde a cara e corcoveia
Se se boleia sai o cabresto na mão
Essa é a lida dum peão que gineteia
Força no braço e destreza no garrão

Assim eu vivo, Patrício, pelo rincão
Fazendo o potro, Patrício, em redomão
Assim eu vivo, Patrício, pelo rincão
Fazendo o potro, Patrício, em redomão

Estrada a fora assoviando estendo o potro
Avisto ao longe a tostada do negrão
E num gateado Juliano estende a corda
Se sabe as normas sabe aguentar o tirão
Um bagual zaino sente as garras e corcoveia
Se agarra a orelha o Gabriel e o Capão
Aperta a cincha e depois tira as maneias
Grita o Nanico vai pro fundo Alemão

São três semanas pra ajeitar o bico do pingo
E no domingo já foi feita a revisão
A gauchada já com ânsia aqui na estância
Serviço brabo que no pago é tradição
Vinte e um dias de trabalho nos arreios
Sem tempo feio pra livrar algum tirão
Me grita o preto hoje é dia de rodeio
Mais um troféu que vou trazer pro meu rincão

Entra na pista o Nelson Leja no picaço
Estende o laço pra fazer a apresentação
Vai pra escramuça depois pra esbarrada
Sabe o segredo de ajeitar um redomão
Se der no jeito hoje de tarde ainda monto
Aguento os pulo escorado num redião
Sistema bruto de lidar com aporreado
Sou de à cavalo e tenho força no garrão


Top Letras de Grupo Sandim

  1. Vanereiro
  2. O Golpe da Cachaça
  3. De Geração Pra Geração
  4. Balanço de Vaneira
  5. Gaúcho Lá de Fora
  6. Vanerá
  7. Sandim Chegou
  8. Abanando As Franjas do Pala
  9. Bolicho, Baile e Cambicho
  10. Falando de Amor

Pela Web