Letras Web
Clandestinos

Us Zé Na Ré

Clandestinos

14 acessos

Chego na fé, na verdade malandro tá de pé, ô Zé mane no
rap não enfia a colher, o esquema é outro, aqui
neguinho num tem tesouro, que nem besouro no ouvido a
malandragem tem desgosto, tá de coloio com os homi
entrega os outros, de comboio, caguete tem no morro,
em todo canto, por isso agora eu tô cantando, vou
reclamando, e se ficar calado é só dezando, é desse
jeito mermu nó, cadeado, sangue bom, num fica de
conversa, ninguém se estressa, a tiazona com a panela
na mão, bota pra correr vários malucos cheiram pó é de
fuder ... sem proceder, não para em pé, tem vários zé
que tão na ré ... nada com nada, bate o fone, 190 prus
piada, na calada, bem de mansinho do um pé quando ouço
a gargalhada, pequena falha, tem x9 na parada, na
minha área sem responsa, sem respeito, jogando feio,
quem ostenta o preconceito perde os direitos, a
coroinha se aperreia ... não tem haver, só quer viver,
não foi assim que ela ensinou fazer o que ...
sobreviver é realmente o que liga, então faço figa,
salvar uma vida tá valendo, passagem ou cina, sem
mentira, sem intriga, na instiga, zé pega o microfone
e faz agora uma rima rica, desenvolve, viver na
pilantragem não combina, com a família, o rap tem
bina, não passe um trote, ninguém é lock, se tu colar
errado, vai ter uma pá de briga.

Assim que é zé, aliado, sangue bom, firma na fé, a
piolhagem aqui não rende, é so dezando, 100 colher no
meu prato, não fica do meu lado, eu sei quem é chegado
e quem quer ficar na ré 2x

Assim que é, quem perdoa é Jesus cristo, eu num sou
nada, sem migué, não vivo da estória como vive o Pelé,
faço o meu, num tô na de ninguém, como aquele pela saco
que quer entregar alguém, Deus tá lá em cima vendo tudo
e você sabe, estilo aquela frase um bom lugar você num
cabe, lugar de gente pobre, gente humilde, gente
nobre, não merece a convivência quem na fita atrasa os
fortes, chama de gostosa a mulher do seu chegado, nem
respeita sua coroa, que ter tudo importado, tênis nike
de bom naipe, beca cara do caralho, acha que bom é ser
cuzão, nunca andei por essa fase, é tudo errado mete
as fuça, a lei daqui não é da mãe, desse lado se
formula onde impera a lei do cão, a que nunca tem
perdão, quem vive de mancada às vezes gela um montão,
eu te avisei !! a regra você sabe aqui é essa,
estabelece a milidias na bocada, na favela, nos
quilombos, na periferia, rimando agora a Vera sem
ficar de hipocrisia, tá ai um pequeno recadinho em
forma de poesia, quem tem amor a vida sabe andar em
cima da linha, não fica de viagem, se firma na
família, segue junto a carruagem.

Assim que é zé, aliado, sangue bom, firma na fé, a
piolhagem aqui não rende, é so dezando, 100 colher no
meu prato, não fica do meu lado, eu sei quem é chegado
e quem quer ficar na ré 2x

Aqui na responsa, um largado, um clandestino, uma
missão, enviado nesse inferno cara a cara com o cão,
todo canto, toda hora, sempre uma situação, que te
deixa encurralado sem ação ou reação, no busão da
injustiça vão pegando os passageiros, te deixando numa
sinuca, maltrapilho e sem dinheiro, tua honra lhe
tomaram e nunca mais te devolveram, vagabundo tem a
voz, vão cumprir o que prometeram.

Assim que é zé, aliado, sangue bom, firma na fé, a
piolhagem aqui não rende, é so dezando, 100 colher no
meu prato, não fica do meu lado, eu sei quem é chegado
e quem quer ficar na ré 2x


Top Letras de Clandestinos

  1. Música no seu ouvido
  2. Maria Bonita
  3. Us Zé Na Ré
  4. O Vôo do Carcará
  5. O Samba E A Morena
  6. O Surf

Pela Web