Letras Web

Lei Áurea

Carolina Soares

100 acessos

Dorme presos como animais, acorda cedo pra trabalhar
Era na foice e no machado, com o facão nos canaviais
Quatorze horas por dia, e sem poder reclamar
O negro caía cansado, logo era chicoteado
E gritava

Não bata n'eu mais não
Não bata n'eu mais não
Não bata n'eu mais não, seu feitor
Que eu já vou me levantar

1888 a lei áurea, Isabel assinou
O negro foi jogado na rua, essa lei não adiantou
Com saudades da terra natal, com aperto no coração
O negro já não apanha mais, mas continua na
escravidão

Libertação, libertação, libertação
Olha o negro, libertação.

Top Letras de Carolina Soares

  1. As Vezes Me Chamam de Negro
  2. Capoeira
  3. Chico Parauê Rauê
  4. Na Aruanda
  5. Lei Áurea
  6. Mundo Enganador
  7. Praia De Nudismo
  8. Chico Paraue
  9. Puxada de Rede
  10. Lamento do Menino